Skip to main content
transtorno alimentar

Transtorno alimentar e Distorção da imagem Corporal

Transtorno alimentar e Distorção da imagem Corporal

olá meus amores! tudo bem com vocês?

Hoje eu vim pra trazer um assunto muito discutido na atualidade, que é: Transtorno alimentar e Distorção da imagem Corporal. Muitas pessoas tem o transtorno alimentar e distorção da imagem corporal e não sabem. Hoje eu vim aqui pra contar um pouquinho da minha relação com a comida e com o meu corpo, vamos refletir sobre o que realmente importa, então vem comigo!

 

O que é o Transtorno Alimentar

Quando se come mais rápido que o comum, ingerir alimentos em grande quantidade sem estar com fome, comer sozinha por sentir vergonha da quantidade de comida ingerida, guardar alimentos pra comer sem ser visto, quando você se sente estressada e ansiosa e você só pode compensar isso comendo, não se sentir saciada mesmo depois de comer.

transtorno alimentar e distorção da imagem corporal

 

O que é a Distorção de imagem corporal

É quando a pessoas se vê maior do que ela realmente é, quando ela vê defeitos onde não tem e fica se observando por horas durante todo o dia no espelho, quando evita  tirar fotos, se compara com corpos de outras pessoas, experimenta vários procedimento cirúrgicos e estéticos (mesmo assim não consegue resolver o “problema”), e as vezes o defeito pode ser pequeno ou imaginário.

Hoje eu sei que muitas coisas pelas quais eu passei eram sintomas de Transtorno alimentar e Distorção da imagem, antes eu não tinha informações sobre essas doenças, e nem sabia que eram doenças e muito menos que podiam ser tratadas.

transtorno alimentar e distorção da imagem corporal

 

Meu depoimento

Eu tinha dez anos de idade quando comecei a me sentir isolada e excluída fora do padrão da sociedade. Meu corpo se desenvolveu rapidamente, tive a minha primeira menstruação aos dez anos, então a partir daí os meus seios começaram a ficar enormes, e eu era alta pra minha idade. Comecei a ouvir muito na escola que eu era muito grande, tinhas ombros largos, peitos muito grandes, mas eu não dava “ouvidos” á esses comentários, porém me sentia estranha rsrsrs mas estava tudo bem.

Dos meus dez anos aos treze, eu escutava muito as pessoas me dizendo “não coma muito, você tem tendencia a ser gordinha”, “você é bem fortinha”, coias desse tipo. Eu não me importava na maioria das vezes, porque não me enxergava defeituosa como as pessoas me viam. Mas sentia medo da comida, sentia vergonha de comer na frente das pessoas, porque sempre havia um comentário do quanto eu comia muito e iria ficar gorda.

Comecei a tomar remédios para emagrecer aos quinze anos, tomei dos quinze aos dezoito anos, escondida, ninguém nunca soube.

Quando comecei a namorar, eu parei de tomar os remédios, e comecei a sair e conhecer novos lugares e comidas diferentes, foi uma época muito feliz da minha vida, quando parei de tomar os remédios, até me esquecia do meu corpo, não sofria na hora das refeições, não me importava com qualquer tipo de comentário.

Mas não durou muito tempo, e voltaram os meus pensamentos e comentários ruins, sobre como eu estava gorda, era horrível entrar nas lojas pra experimentar uma calça, eu sempre pedia um 38, mesmo sabendo que não caberia, eu sabia que o meu número era 40, mas não gostaria que fosse. Me entristecia os olhares das vendedoras observando o meu corpo.

Dos meus vinte anos aos vinte e três, fiz uma grande restrição alimentar e vivia dentro da academia fazendo todas as atividades aeróbicas possíveis, diminui o peso de 64 kg a 47 kg.

Mas nunca era o suficiente, eu sempre queria mais, meu peso oscilava entre 47 kg e 45 kg. Se comia um pouquinho de algo que eu considerava “proibido”, era sentimento de culpa na hora, ficava dias sem comer carboidratos pra compensar o meu “erro”. Era horrível me olhar no espelho e ficar me observando, sempre apertando as gordurinhas (imaginárias).

Eu nunca estava bonita ou “correta” pra ninguém, hora estava muito magra, parecendo doente, outrora precisando emagrecer, estava acima do peso.

Me comparando

Eu sempre me comparei com outras pessoas, sempre quis ter a cintura de “fulana”, a bunda de “ciclana”, o peito de “beltrano”. Eu nunca queria nada que eu tinha, nunca me achei bonita o suficiente, pra me encaixar na sociedade que pede o “corpo perfeito”, que por sinal NÃO EXISTE.

 

Atualmente

Hoje, eu faço atividades físicas, mas faço as que eu gosto e sinto prazer, tenho hábitos saudáveis mas também me permito comer todas as vezes que sinto vontade de comer algo que antes eu não me permitia comer.  Não faço dietas, pois quando eu fazia eram muito restritivas e era quando eu mais me sentia mal, feia, e culpada por comer algo fora do que eu considerava “certo”.

Mas ainda não me enxergo como outras pessoas me enxergam. As vezes me acho bonita e me sinto bem, as vezes não. Fico triste de “não poder” usar certos tipos de roupas, apesar de ouvir muito que eu posso e devo! muitas vezes quero ficar em casa, porque acho que não tenho roupas que escondam o que eu não quero que os outros vejam. Eu termino de comer e fico me olhando pra ver se engordei mais.

Tento sempre disfarçar o que eu considero defeituoso. Eu tenho 1,64 m e 60 kg, peso ideal pra minha altura. Não me importo tanto com o peso que vejo na balança, mas quando faço avaliação física me importo MUITO com o percentual de gordura, que lógico, pra mim, nunca está bom!

Nunca procurei tratamento, tento aprender comigo mesma a me gostar e a me amar, estou tentando parar de me importar com a opinião dos outros. Eu falo pra mim mesma todos os dias, que o que os outros pensam é problema deles! quem tem que estar feliz com o meu corpo SOU EU. Meu corpo é meu templo, e preciso cuidar dele da melhor forma possível.

Precisamos trabalhar a autoestima todos os dias

Não é fácil  se aceitar, se gostar, mas não é impossível e temos que trabalhar nisso todos os dias! Não podemos deixar que o Transtorno alimentar e  Distorção da imagem corporal nos atrapalhe a viver em paz. Não podemos deixar que nenhum tipo de compulsão, distúrbio ou transtorno alimentar tome conta da nossa vida.

Eu citei aqui hoje somente Transtorno alimentar e Distorção da imagem Corporal, porque é o que mais me fez sofrer, mas existem várias outras doenças ligadas ao corpo e a alimentação que são gravíssimas, vou falar delas em outros posts.

 

Conclusão

Transtorno alimentar e Distorção da imagem Corporal, são doenças que mudam nossa perspectiva sobre nossos corpos e consequentemente nos levam a acreditar que nós não nos encaixamos no padrão imposto pela sociedade. A boa notícia é que isso tem tratamento meninas! busquem ajuda, de um psicologo ou um terapeuta, existem vários profissionais especializados na área de transtornos alimentares, ou busque apoio no colo de alguma pessoa que ama você, eu tenho o meu marido que me lembra todos os dias o quanto eu sou bonita e faz toda a diferença. Não é vergonha alguma precisar da ajuda de alguém nesses momentos tão difíceis. Se ame primeiro para que depois outras pessoas possam amar você. Vamos refletir sobre o que realmente importa, a opinião da sociedade o padrão imposto pela sociedade, ou a nossa saúde, o nosso bem estar, a nossa felicidade?

Se você tem algum transtorno alimentar, algum tipo de distúrbio  e quiser conversar, ainda tenho muitas coisas pra contar, comente aqui, e vamos nos apoiar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Bárbara Gabriela carvalho

Temperamento um pouco difícil, (TPM eterna rsrsrs) e portanto é preciso de um pouco de tempo para que eu goste e que gostem de mim. Não sou de esconder sentimento e nem de fingir algo que não sou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *